terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Meu Primeiro Encontro

  Oi gente. Quero falar procêis sobre meu primeiro encontro. Isso mesmo. Aquela coisa desengonçada que ninguém sabe oque tá fazendo e muito menos no que aquilo vai levar. JÁ ADIANTO. Foi horrível e teve duração recorde de 3 minutos.
  Foi mais ou menos assim.
  Vou chamar a menina durante o texto como ''D''.
  Eu e D estávamos enrolando muito pra sair, todo mundo inclusive nós mesmos sabiam que éramos a fim um do outro há um bom tempo, inclusive a mãe dela sabia. Ensaiei por vários meses chamá-la pra sair até que uma amiga nossa fez festa de 15 anos e foi a oportunidade perfeita pra ter o tão famoso primeiro encontro.
  Depois de muitas horas falando em frente ao espelho, cheguei pelo WhatsApp e perguntei se ela gostaria de sair comigo durante a festa, enquanto ninguém estivesse olhando. Ela topou. Primeiro passo foi dado e conquistado até que com muita facilidade (tudo que não é pessoalmente é mais fácil, anote isso, mas nem sempre é melhor, anote isso). Nunca tocamos sobre esse assunto pessoalmente, mas em um dia todo mundo já sabia. Menos a prima dela que estudava conosco e o cara da minha sala que eu não gosto.
  Chegou a festa. A apreensão foi muito forte mesmo, todo mundo olhava de um lado e cochichava do outro querendo saber se já tinha acontecido ou não. Por volta da meia noite a balada começou e perguntei pra ela:
 - Então, vamo?
 - Ai não me apressa - ela disse de maneira desesperada e foi logo correndo pra amiguinha dela.
 - É agora ou nunca, é só descer pra conversar, vamo.
 - Ai, amiga vem com a gente.
  Nesse ponto o que era pra ser um encontro já se distanciava do conceito original, estava mais pra um desafio pra nós dois, o clima já não estava mais tão bom. Depois disso nossa amiga levou a gente pra baixo da festa num lugar mais distanciado e deixou a gente lá. Sentamos e conversamos por 2 minutos. 2 FUCKING MINUTOS.
  Com isso, o primeiro ponto da noite acontece.
  O menino que eu não gosto apareceu, viu tudo oque tava acontecendo e sentou há 1 metro de distancia da gente e ficou encarando como se ele estivesse incomodado com a cena. Tudo bem, já não tava mais rolando mesmo. O
  Pronto, segundo ponto da noite acontece.
  Prima dela aparece na escada e grita:
 - Vocês dois tão saindo MEU DEUUUUUUUUUUUUUUS - ela sai literalmente correndo e começa a contar pra todo mundo.
  Clima acabou, não rolou beijo, tava todo mundo sabendo, não foi legal e eu jurei que nunca teria uma experiência parecida com essa de novo.
  Cá estou eu, com meu segundo encontro marcado pra amanhã e com medo de ser tão bosta como esse.
 

sábado, 7 de janeiro de 2017

Desculpa pela postagem, de verdade.

  Ai gente, tô aqui de novo.
  Primeiramente, fora temer.
  Segundamente, bom ano pra todo mundo que viveu pra ter vivido (isso tá certo?) a mudança de 2016 pra 2017, se bem que se você tá lendo isso significa que viveu a mudança. Quer saber? Tanto faz as nossa vivências, nossos momentos, nossas histórias. O que adianta ter vivido tanta coisa e agora não ser nada? Do que adianta ter ido pra Maceió se você continua sendo uma pessoa que não se comove com a pobreza? Como você faz pra mudar a si próprio se você muitas vezes age como alguém imutável?
  Novamente, feliz 2017. Ano importante. Epa, já falei disso no outro post.
  Ai queria tanto ter levado esse blog pra frente, eu gostava tanto dele, mas um tantão mesmo. Pena que a disposição pra fazer resenha foi muito pequena. Acho isso engraçado, sabia? No início era tudo tão bom e perfeito, eu fui atrás de parceria, fazia resenhas e já deixava escritas e salvas, lia muitos livros. Hoje? Não faço metade do que eu fazia e sou o dobro mais ocupado, como a vida dá voltas. Eu sei que é confuso, eu sei.
  Eu to triste, gente. Muito sadness boy pro meu gosto e eu não sou assim. Não mesmo. Nunca fiquei parado imaginando quem iria no meu velório, quem seria aquela amiga que choraria escandalosamente, aquela pessoa que ficaria no canto vendo tudo com cara de quem foi pq a mãe obrigou a ir, quem iria fazer uma linda homenagem cantada, quem se arrependeria por não ter me beijado. É, muita gente poderia se arrepender de não ter me beijado, mas eu só quero beijar uma pessoa. O resto que vir é lucro. Eu só quero uma.
  Engraçado quando a gente entra no whatsapp e vê o contato da pessoa online e não sabemos como chamar para ter a primeira conversa sem que seja muito chato, sem que pareça desesperado, sem que pareça infantil, sem que pareça desajeita, sem que pareça apaixonado. Paixão; medo da minha própria geração; angústia da vasta solidão; emergida num clarão; de uma pura ilusão (até salvei esse trecho pq vai virar poema meu).
  Eu não sei fazer esses desabafos muito longos, vem muita coisa a tona de uma vez só e eu não sei lidar com tanto sentimento de uma vez só. Mais fácil a fazer é chorar, mas eu não vou. É difícil, eu sei, eu to passando por tudo isso, vou passar ainda mais, tem muita coisa que as pessoas ainda não sabem sobre mim e que quando souberem vai ser difícil lidar. Se eu to sofrendo? eu tô, mas tem gente pior que eu.
  Sei que vocês não entendem nada, mas, mesmo assim, obrigado <3